segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Macuca, um ponto de harmonia.


A Macuca não é um "estado de espírito", é um "país espiritual". A Macuca é mais que uma fazenda, ela cria lendas. De lá se contam muitas estórias, de mato, de fogo corredor e da "bica encantanda das águas limpantes dos corpos errantes"; do Santo de Sant'ana, boiadeiro que vive protegendo a fazenda, sem horário de vigília. De pessoas que foram umas e voltaram outras. Do monstro do capitalismo que nunca conseguiu entrar na fazenda, conseqüentemente nem o do “capetalismo”. A macuca é o céu, aliás aquele céu só tem lá, embora muitos levem esse céu dentro de si, cada vez que de lá saem. A lua da Macuca!!! Ah, a lua da Macuca é cheia, mesmo quando é nova, e crescente, mesmo quando minguante.

A Macuca é outra dimensão. Lá o chá das 5 é de 7 horas, e se passam horas saboreando o chá, embora ninguém perceba. A Macuca, é festa, é alegria, riso e boa música todo o tempo. O tempo é sempre bom, se é chuva é bom, se é sol é bom, se é sol e chuva é ótimo, se é dia, é de bom dia! Se é noite, de boa noite! Se é de madrugada, não digo nada, vai lá ver!

Lá se construirá uma obra faraônica, ou seria Massilônica?! Uma ponte do nada para o infinito ! Lá se anda no mato, anda nu mato, e se anda nu no mato, toma-se banho na bica encantada, ritual purificante da alma, despertante dos sóbrios, revigorante aos que querem continuar na festa. Senão, é só entrar na barraca, fechar os olhos e ouvir a mistura da orquestra sinfonica natural dos grilos e rãs, acompanhando o jazz do outro lado do rio, o forró na casa do Zé ou o seja-lá-o-que-for-de-bom no palco do bar, que poderia se chamar “Palco Pezão”.
O seu anfitrião é o Zé da Rocha, um cavalheiro cavaleiro medieval, que abre suas portas aos que estão dispostos a comungar desse universo, e empunha sua espada aos que se opõem a harmonia do lugar.

A Macuca é família, é familiar, é lar e é lá que eu me desligo das coisas eletrônicas do mundo moderno. Lá os eletrodomésticos são só domésticos, a geladeira é que é a gás, o fogão a lenha, e a luz a querosene. Ainda tento entender o aparelho de som, ou ele é alimentado pela boa música que entoa durante o dia inteiro, ou por algum tipo de força cósmica, não duvido nada!
A Macuca é paz, ou mais, é terapia natural, é natural, a Macuca é magia, é viagem no espaço sideral, a Macuca é cultura, a Macuca é o ponto e ponto final.

 

Por : Alexandre Revoredo 21/10/201